quinta-feira, 15 de setembro de 2016

pau na moleira do alberto dines



o sectarismo do observatório da imprensa anda produzindo das suas.

dia destes, foi a marinilda carvalho, ao produzir peidorrada chinfrim, em estado de choque contumaz. destrinchou, com verve transmudante, um falso viés que não faz nem cosquinhas na game generation, target heavy user do comercial comentado. mas reconheçamos, com que empáfia a senhora cagou regras no bidê — ver post, marinilda já foi nome de vedete, em 17/10/2005 publicado no cemgrauscelsius.blogspot.com

agora, dines, mal do fígado, perde as estribeiras e valorosidade ao produzir corte epistemológico fundado numa visão deontológica que confirma não só o padecimento de mosquetadice como a pratica da auto-blefarrorafia, ao terçar armas com autoridade e o azedume costumeiro dos decanos com disopia. e, com tal fúria, que resulta bisultriz.

seu clamor esbarra numa vexamosa visão de paralaxe, sendo ele figura do batente: não são publicitários, tampouco os do departamento de criação, nem os da “ arte do jornal” , que diagramam o mesmo. portanto, a pirueta publicitária o é jornalística tão-somente. não há menor cumplicidade no caso, muito menos intenção de autor.

constantemente a criação assiste, de mão amarradas, a tais“ barrigas”. típicas e referenciais da falta de sensibilidade, leia-se da falta de cuidado e responsabilidade profissional mesmo, capaz de fazer as mais inverossímeis combinações com “base na aleatoridade”. deixando clientes e agência, mais do que os leitores, que não sabemos se subliminarmente fazem a associação ou não, de olhos esbugalhados. o que, convenhamos, não é, nem nunca foi o objetivo fulcral do anúncio.

as direções comerciais dos jornais, day after, apresentam desculpas, incluindo as da redação. e, no máximo, oferecem reposição, quando deviam ser processados criminalmente. pois o dano, algumas vezes, é irreparável. bons tempos então, em que secretários de redação impediam disparates como estes, esporrando em alto e bom som cagaço dado nos envolvidos. quando não pontapeteando-os bunda a fora. mas não se fazem jornalistas como antigamente, nisto estamos de acordo, não senhor dines? publicitários idem ?

pasmo fico muito mais com o foco dado por ele e o vocabulário retrô que inclui “bagunça, a nova bossa, exdrúxulas colocações e formatos, surtos de invencionice, e a “ aula” dos anúncios arrumados(sic!) nos cantos das páginas, pares, no lado esquerdo, ímpares, do lado direito, e a citação às “ pirâmides”. o que nos leva a constatar que o rei alberto confunde, tal como o observatório, sisudice com seriedade – característica maior na corrente de produção dos textos, formatados quase que “acadêmicamente” - obtusidade com objetividade, imobilismo com pragmatismo, informalidade com falta de estilo, descontração com falta de educação, originalidade com porra louquice, moderno com modernoso e , acima de tudo, conservadorismo com sinônimo de jornalismo responsável. o que é carnicão de mal muito maior. e que não gostaríamos de imaginar tomando-lhe o corpo da mente, apesar do reacionarismo escarrado à fogo e o apego patomaníaco a regras em desuso – não se trata de culpa de quem - enfeixados no seu parti pris.

jornalistas manifestarem uma eterna dor de corno por publicitários é fato que não merece nem terceiro caderno. conflitos entre redação e comercial, extensão da agência ? já fizeram muitas altas e baixas no ofício. a estupidez avia a maioria dos parágrafos que abordam o assunto. e as farpas, acabam por cravarem-se nas mãos de quem as manejam. principalmente daqueles que enxergam a publicidade como profanação do espaço editorial. como se a decência e integridade do jornalismo, para não dizer da eficiência, estivesse na salvaguarda do maior espaço para editoração, arrumadinho, bem arrumadinho, segundo alberto. espaço que quando se encolhe para anúncios, obedece e sustenta-se nas vigas de tabelas nascituramente pensadas para ceder. e que não foram fruto, decididamente, de nenhuma pirueta ou invencionice publicitária.

se é pulhice dizer que o jornalismo quanto mais saudável o é quanto mais saudável forem as suas finanças, também isto não foi gag de publicitário. talvez, sim de jornalista. mal resolvido.

deontologiamente aflora sempre o maniqueizamento da publicidade quando a coisa vai mal na redação. responsável, quase senso comum, pela debilidade jornalística que abateu-se período pós didatura, onde compromisssos com o regime endividaram-no “para sempre”. isto posto, o jornalismo é tão mais puro quanto menos publicidade houver(sic!), como se não houvesse um consentimento prévio dos jornais em fazerem-se vendidos por algo bem mais grave do que centímetros por colunas que sacrificam até a primeira página, vergonha mór, para alguns, ó tempos, ó costumes.

como jornalista e publicitário, não necessariamente nesta ordem, vivi as duas questões dentro e fora da redação. muito mais graves em mercados onde os jornais de tiragem diminutas, e tendo como esteio a publicidade oficial, fazem do coração tripas. principalmente em mercados onde as igrejinhas do jornalismo são prepósteras a defesa da integridade dos mesmos. apelando, ainda hoje, para o entreguismo de cabeças não genuflexórias.

nada mais velho do que um jornal de hoje, hoje. nada mais velho do que um jornal de ontem, ontem. o que por sí só é significativo dos novos tempos. construir barricadas em nome de um jornalismo probo, com base na refutação de formatação de diagramação não conservadora, é tornar-se réu confesso da incompetência de gerir um ferramental que oferece um sem-número de possibilidades e, sobretudo, a ampliação da percepção visual de uma nova geração de leitores que contradiz certos paramêtros de facilitação da leitura, cujas coordenadas espaço-temporais são objeto de estudo da neurologia avançada.

recusar a ver que com inteligência tudo, ou quase tudo, é permitido, inclusive no âmbito das relações comercial-redação é padecer do jamais vu. mortal para jornalistas de qualquer idade.

portanto, pau na moleira do alberto dines. aliás, na moleira não: pau na bunda mesmo. e não se trata aqui de exercer o oportunismo como procaz a busca de aparição iconoclasta. mas sim, de aprender – ainda é tempo – a não ser, de mestre tão loquaz, do bundão, a dita cuja.

(originalmente publicado no já extinto dulcora.blogspot.com, em 14/09/2006)

Nenhum comentário:

Postar um comentário